Spatial Patterns of Frontier Settlement: Balancing Conservation and Development
Abstract

Abstract:

Amazonian deforestation has declined recently, but Brazil’s infrastructure plans continue to target the region. In the interest of sustainable development, this article engages the spatial discourses in conservation planning and landscape ecology. It does so by addressing fishbone fragmentation, commonly observed in development frontiers in Brazil. The article demonstrates the importance of road-building by private citizens as key to explaining this particular development geometry. It also suggests that fishbone fragmentation may promote human welfare, and at the same time provide a porous disturbance “filter” with vegetative corridors linking areas of low disturbance across areas of human occupation, thereby enhancing connectivity to support biodiversity conservation.

Resumo:

Apesar do recente decréscimo nas taxas de desmatamento na Amazônia brasileira, a região ainda é alvo de grandes investimento em infra-estrutura. Esse artigo aborda o tema do desenvolvimento sustentável combinando discursos sobre o espaço geográfico no planejamento da conservação e sobre ecologia da paisagem. O artigo aborda a fragmentação tipo “espinha-de-peixe”, os processos generativos de desenvolvimento que levam ao surgimento desse padrão na paisagem com ênfase na construção de estradas, e implicações para a conservação da biodiversidade. O artigo constata que a fragmentação espinha-de-peixe possui características desejáveis que podem promover o bem-estar humano e criar um “filtro” de distúrbio sem romper a conectividade entre ecossistemas localizados ao longo da calha principal do Rio Amazonas e aqueles localizados mais ao sul, cumprindo portanto com objetivos de conservação.