Abstract

Este ensaio examina as representações identitárias referentes à condição legal e à cor dos indivíduos que eram amplamente utilizadas na sociedade escravista do Brasil setecentista e oitocentista. Em princípio, os termos forro(a) e liberto(a) designariam apenas ex-escravos, ou seja, aqueles que tivessem obtido alforria. Não seria uma condição que se passasse para a próxima geração já que esta, do ponto de vista legal, necessariamente nasceria livre. Na realidade, no entanto, a representação de liberto às vezes se associava a tonalidades de pele relacionadas à origem ou à ascendência africana, mesmo quando as pessoas eram nascidas livres. De qualquer forma, a partir da segunda metade do século XVIII, nas Minas Gerais houve uma tendência de declínio no emprego desses termos, sendo que, após a independência do Império, as referências à condição intermediária de forro ou liberto quase desapareceram. As representações de cor e/ou origem demarcavam a população natural da África ou de ascendência africana e foram usadas largamente em Minas durante todo o período escravista. Termos como crioulo, pardo e cabra, além de servirem como marcadores de posição social, também indicavam a naturalidade brasileira e diferentes graus de ascendência africana. Ademais, essas representações de cor e de naturalidade brasileira comumente passavam de geração em geração e, com efeito, continuariam a ser empregadas com bastante frequência na documentação eclesiástica ainda na segunda metade do século XIX. Dessa forma, fica difícil perceber um processo histórico no qual as cores se silenciaram.

pdf

Additional Information

ISSN
1548-9957
Print ISSN
0024-7413
Pages
pp. 26-52
Launched on MUSE
2013-10-29
Open Access
No
Back To Top

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Without cookies your experience may not be seamless.