In lieu of an abstract, here is a brief excerpt of the content:

YYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYY JOGOS DE ALTERIDADE EM A MENOR MULHER DO MUNDO DE CLARICE LISPECTOR RAFAEL CLIMENT-ESPINO A intenção destas páginas é fazer uma leitura do conto A menor mulher do mundo da coletânea Laços de família (1960) de Clarice Lispector, tomando em consideração algumas das idéias que Edward Said incorporou à teoria literária pós-colonial, notadamente o conceito de “o outro” e de “orientalismo.” Além disso é importante para esta análise o conceito de “hegemonia” de Antonio Gramsci. No conto narra-se a história do explorador francês, Marcel Pretre, que no centro da África, no Congo Central, descobre os Likoualas, o menor povo do mundo que “existia além de florestas e distâncias” (64). Uma vez que ele encontra este povo vê entre eles a menor mulher do mundo, que descreve como “uma mulher de quarenta e cinco centímetros, madura, negra, calada. ‘Escura como um macaco’ informaria êle à imprensa (. . .) ela estava grávida” (64). O leitor vê a realidade destas tribos (Bantus, Likoualas) através do olhar e da descrição do explorador. As ideias de exploração e descobrimento são eurocêntricas , pois quem a descobre fá-lo para os europeus e para o ocidente, pois tudo era já conhecido para os nativos. O europeu comporta-se como se esses lugares e as pessoas que nele moram não existissem previamente a sua chegada. É por isso que o explorador dá nome à “menor mulher do mundo”; o olhar do explorador europeu é, nesse sentido, criador, porque como vamos ver quem nomeia possui. Podese então afirmar que: The knowledge produced by exploratory travels of these various groups is at the heart of the control of the new possessions. Once “explored” and so “known,” these territories were possessed and able to be catalogued as under the control or influence of one or other of the colonizing powers. (Ashcroft 90) YYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYYY 339 Nós, como leitores, encontramo-nos diante de uma narração na qual há um olhar europeu, francês neste caso, através do qual o narrador descreve o que acontece. O fato de que o explorador seja francês é também significativo, pois ele fala a língua do colonizador do Congo, os belgas. A este respeito Edward Said afirma que: “The Orient [including Africa] was almost a European invention, and had been since antiquity a place of romance, exotic beings, haunting memories and landscapes, remarkable experiences” (1). O fato de que os Likoualas estejam “além de florestas e distâncias” (64) transporta-nos para um lugar quase mítico e inacessível. Portanto, temos que acreditar na descrição do narrador que constrói, desde uma perspectiva ocidental, a imagem de uma forma de vida e de uma civilização alheia à sua. Este ponto de vista é também o do leitor, pois lemos o seu texto. Sem dúvida, o olhar do narrador contribui à formação de nossa imagem do que são os Likoualas. Marcel Pretre é o elemento forâneo e exótico no contexto africano dos Likoualas. No entanto, para o leitor, a figura esquisita ou estranha é a “menor mulher do mundo.” Clarice Lispector enfrenta, põe cara a cara, frente a frente, dois olhares e dois mundos: o ocidental (Marcel Pretre) e o oriental (Pequena Flor). A oposição entre o explorador e Pequena Flor, nome que o explorador francês dá à menor mulher do mundo, é evidente no conto. Ela é mulher, anã (quarenta e cinco centímetros ), negra, africana, calada; o explorador é homem, supomos que de uma estatura normal para nós ocidentais, branco, escreve e lê, é europeu , e um dado muito importante: fala. Edward Said sugere que: The Orient is [. . .] the place of Europe’s greatest and richest and oldest colonies [. . .] its cultural contestant, and one of its deepest and most recurrent images of the Other. In addition, the Orient has helped to define Europe (or the West) as its contrasting image, idea, personality, experience [. . .] The Orient is an integral part of European material civilization and culture. (1-2) A ideia da Europa, ou da cultura ocidental, não é formada nem constitu ída per se, mas pelas oposições estabelecidas contra...

pdf

Additional Information

ISSN
2165-7599
Print ISSN
0035-7995
Pages
pp. 339-346
Launched on MUSE
2012-10-03
Open Access
No
Back To Top

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Without cookies your experience may not be seamless.