Abstract

O objetivo deste artigo é de reflectir sobre o sentido da palavra "crioulo," discutir a pertinência do uso deste adjectivo para a definição do segmento social analisado e aprofundar a investigação de um ponto de vista cultural, biológico e linguístico. Depois de comparar as diferenças entre a realidade angolana e outros espaços crioulos presentes no mundo de língua portuguesa (Cabo Verde e São Tomé), a investigação procura examinar as características marcantes das "ilhas crioulas" angolanas, tentando superar os limites ideológicos impostos ao longo do século XX pela crítica contemporânea portuguesa, inspirados respectivamente por apologistas e detractores do esforço colonial. Neste artigo o termo "crioulo" quer definir uma categoria sócio-cultural que abrange um leque variado de elementos heterogéneos: os descendentes de europeus nascidos em Angola–tanto brancos como mestiços–e africanos destribalizados mais ou menos adaptados à cultura europeia que formavam um grupo intermediário entre os europeus da metrópole e a população indígena das áreas rurais.

pdf

Additional Information

ISSN
1548-9957
Print ISSN
0024-7413
Pages
pp. 100-119
Launched on MUSE
2011-01-30
Open Access
No
Back To Top

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Without cookies your experience may not be seamless.