We are unable to display your institutional affiliation without JavaScript turned on.
Browse Book and Journal Content on Project MUSE
OR

Find using OpenURL

Rent from DeepDyve Rent from DeepDyve

South Atlantic Exchanges: The Role of Brazilian-Born Agents in Benguela, 1650-1850

From: Luso-Brazilian Review
Volume 50, Number 1, 2013
pp. 53-82 | 10.1353/lbr.2013.0011

Abstract

Abstract:

Em meados do século dezessete, com a participação das tropas militares oriundas da colônia do Brasil no episódio da expulsão dos holandeses da África centro-ocidental, os laços entre as colônias portuguesas do Brasil e Angola aumentaram gradativamente. Oficiais coloniais brasileiros, assim como degredados e comerciantes de grosso trato, chegaram ao porto de Benguela com objetivos e perspectivas diferentes. Enquanto uns foram deportados por crimes contra a coroa ou contra indivíduos para o porto conhecido como o "tumbeiro do homem branco," outros chegaram em busca de mão-de-obra escrava mais barata e abundante do que em outros portos africanos. Ocupando postos na administração colonial, americanos, brasílicos ou brasileiros, como eram identificados nas fontes primárias, não chegaram a formar uma comunidade à parte durante o século dezoito. Com a independência do Brasil, um movimento liderado por brasileiros procurou unir a colônia de Benguela ao nascente império, com o intuito de evitar a pressão britânica interessada em abolir o tráfico. O movimento fracassou e foi duramente reprimido pelas autoridades portuguesas. Porém, o conflito revela a separação da comunidade de brasileiros a princípios do século XIX, que já não se via mais identificada e representada pela coroa portuguesa. Esse artigo explora os laços que uniam as colônias do Brasil e Benguela durante o período 1650-1850, buscando enfatizar o papel dos indivíduos nascidos no Brasil no comércio de escravos e na emergência do porto de Benguela como num dos mais importantes no Atlântico Sul.



You must be logged in through an institution that subscribes to this journal or book to access the full text.

Shibboleth

Shibboleth authentication is only available to registered institutions.

Project MUSE

For subscribing associations only.