We are unable to display your institutional affiliation without JavaScript turned on.
Browse Book and Journal Content on Project MUSE
OR

Find using OpenURL

A sátira barroca e a poesia satírica de Gregório de Matos

From: Hispanófila
Volume 169, Septiembre 2013
pp. 193-203 | 10.1353/hsf.2013.0048

In lieu of an abstract, here is a brief excerpt of the content:

1. O ideal da sátira em Gregório de Matos e nos tratados poéticos do Barroco português

Apesar do ludismo e da obscenidade que caracterizam a sua sátira, Gregório de Matos não rejeita uma visão do devir da História e uma concepção de Homem que contraria a mundividência e a corrupção vigentes na época. O poeta delimita uma imago pública de si enquanto pessoa do mundo fenomenal que substitui a Lei ético-jurídica (que o sistema de justiça, por inépcia, não aplica) pela lei da sátira em verso. As leis do género satírico alimentam-se, legitimamente, segundo Gregório de Matos, de uma lei moral justa e de leis poéticas próprias. Veremos neste artigo em que medida o poeta põe em prática este pressuposto.

Para preservar o mais possível a sátira barroca da má reputação do género satírico, associada às formas mais primitivas de invectiva não-literária, os teorizadores prescrevem o máximo comedimento no uso do cómico e do satírico. Não se nega à sátira o direito à punição exemplar pela via do ridículo, mas não se admite o recurso ao apontamento insultuoso e cru, literal. A subtileza do conceito não é só um dos princípios essenciais da poética barroca; deve também ser a regra essencial do género satírico, a que se atribui uma função de denúncia correctiva e moralizadora.

As leis, curtas e incisivas, divulgadas pelo espanhol Baltasar Gracián (Belmonte de Gracián, 1601 – Tarazona, 1658), autor do paradigma teórico fundamental do barroco peninsular, Agudeza y Arte de Ingenio (1642), servem de medida para avaliarmos o que, antes e depois, circula sobre a sátira em textos críticos e teóricos.

Gracián aconselha sempre, através de exemplos oportunos, com vista a uma codificação eficaz do género, a obediência a critérios de sobriedade e proporção. No “Discurso XXVI”, subordinado ao tema “De la agudeza crítica e maliciosa”, diz, a propósito de uma décima de Manuel Salinas (“Todas tus amigas son/ Las más viejas y más feas,/ Con ellas vas y paseas,/ Ya se sabe tu intención./ Éstas en toda ocasión/ Contigo gustas traer,/ Para con eso poder,/ Fabula, siempre engañosa,/ Entre feas ser hermosa,/ Y entre viejas niña ser”): “De modo que todo el artificio de esta agudeza consiste en descubrirle la mali-cia artificiosa al que obra, y sabérsela ponderar” (256). Imediatamente a seguir, no “Discurso XXVII”, em que se reflecte acerca “De las crisis irrisorias”, afirma que “Es tan fácil esta agudeza, cuan gustosa, porque sobre la ajena necedad todos discurren y todos se adelantan antes el convicio [injuria o improperio] que al encomio, pero el ingenioso por naturaleza dobla su intención”. Esta proposição é ilustrada com um epigrama de Bartolomé Leonardo:

El metal sacro en Julia Celsa suena,/ Émulo de proféticos alientos,/ Que nos previene a insignes movimientos/ Con proprio impulso y sin industria ajena./ Ofusca el sol su faz limpia y serena,/ Arrojando esplendores macilentos,/ Y sacudido el orbe de portentos,/ Se aflige y brama en su fatal cadena,/ Y mientras que el horror de lo futuro/ Los ánimos oprime o los admira,/ Tú, Cremes, obstinado en tus amores,/ Remites a los cetros la gran ira,/ Y adulas a tu Pánfila con flores,/ Deshonesto, decrépito y seguro.

(265–266)

Um pouco mais à frente, sem nunca deixar de recorrer a exemplos, o autor acrescenta: “Satirízase en general con la misma sutileza y gracia, y nótanse las necedades comunes, que no es la menos principal parte de la sabiduría prudente” (272). Mais: sem cair na vulgaridade, “Pondérase con mucha sal el desacierto, cuando desciende de un extremo a otro. Físgase [hacer mofa] Marcial de Gelía, que mientras andaba escogiendo maridos, y al principio asqueaba todo lo que no era casar con un príncipe, hízose vieja y casó al cabo con un...



You must be logged in through an institution that subscribes to this journal or book to access the full text.

Shibboleth

Shibboleth authentication is only available to registered institutions.

Project MUSE

For subscribing associations only.