Impacts of the Cattle Industry and Road Development in the Rupununi, Guyana
Abstract

Abstract:

In the late 1800s, cattle began arriving to the Rupununi as an extension of Brazilian ranching activities serving the rubber-boom market of Manaus. The initial impacts of this ranching economy upon the Indigenous peoples of the Rupununi greatly changed their traditional way of life, and in particular affected their access to and control of territory. This was exacerbated in 1920, when the ‘cattle trail’ was opened to bring beef to the Guyanese market, thereby connecting the region to the country’s capital and exposing the Rupununi to coastal peoples, politics, and pressures. Recently, the Brazilian government has been advocating strongly for the development of a continuous surface road linking Manaus through the Rupununi to Georgetown, thereby connecting the Brazilian interior with the Caribbean export economy, with further links to global trade. This road threatens to increase pressures on Indigenous territory within Guyana, resulting in the further annexation of traditional ancestral lands and losses of subsistence and livelihood practices. Based on recent fieldwork, this paper explores the social and environmental impacts of this road upon the peoples of the Rupununi, as well as local responses, and suggests that Brazil may have an increasing presence in the Rupununi, enabled through geopolitical road development.

Resumo:

No final do século XIX, o gado começou a chegar no Rupununi como uma extensão das atividades pecuárias brasileiras que atendiam ao mercado de Manaus oriundo da prosperidade da borracha. Os impactos iniciais da economia de pecuária sobre os povos indígenas do Rupununi mudou em muito o seu modo de vida tradicional, e em particular afetou seu acesso e controle de território. Isso foi agravado em 1920, quando a ‘trilha de gado’ foi aberta para levar carne bovina para o mercado da Guiana, ligando assim a região à capital do país e expondo o Rupununi a populações costeiras, política e pressões. Recentemente, o governo brasileiro tem defendido fortemente o desenvolvimento de uma estrada de asfaltada ligando Manaus a Georgetown através do Rupununi, conectando assim o interior brasileiro com a economia de exportação do Caribe, aumentando mais as ligações com o comércio global. Esta estrada ameaça aumentar as pressões sobre o território indígena dentro da Guiana, resultando em uma maior anexação de terras ancestrais e perda de práticas de subsistência e de modo de vida tradicionais. Com base em trabalho de campo recente, este artigo explora os impactos sociais e ambientais desta estrada sobre os povos do Rupununi, bem como as reações locais, e sugere que o Brasil pode ter uma presença crescente no Rupununi, possibilitada pela geopolítica do desenvolvimento rodoviário.