Abstract

Este artigo apresenta uma análise do conceito de "dívida" em Memórias póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis. O narrador, representante da elite brasileira do século XIX, imagina "dívida" sempre como dívida econômica que pode ser cumprida e então resolvida (ou melhor, desaparecida). Ele relata qualquer tipo de experiência humana com um vocabulário financeiro, se referindo a dívida como metáfora, mas essas metáforas são ao mesmo tempo brilhantes e enganadoras. A poesia dele é uma estratégia retórica, porque mesmo morto, o narrador continua fiel a sua classe. Seu privilégio social se manifesta em uma tendência a imaginar que existem certas pessoas bem-aventuradas pela Providência e essa classe de pessoas não deve nada a ninguém.

pdf

Additional Information

ISSN
1548-9957
Print ISSN
0024-7413
Pages
pp. 51-71
Launched on MUSE
2013-02-27
Open Access
N
Back To Top

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website. Without cookies your experience may not be seamless.